Na Moda dos Trendy Drama

Na Moda dos Trendy Dramas

por Marco Souza

Um dos grandes produtos culturais de consumo no Japão são os chamados Doramas (palavra em japonês que reproduz a pronúncia nipônica da palavra drama), as mini-séries, séries ou telenovelas japonesas. Da década de 1950 até o final da década de 1980, a grande maioria dos Doramas eram produções voltadas para um público predominantemente feminino e na faixa etária entre os 40 e os 50 anos. A partir do início da década de 1990, surge uma nova geração de criadores na televisão japonesa que começam a produzir dramas voltados para a faixa etária jovem, o que inclui adolescentes e adultos jovens. Através desse tipo de produção, a TV japonesa abre espaço para o que se passou a chamar de Trendy Drama, Doramas voltados para esse público jovem e com temáticas atrativas para esse tipo de público. As histórias são sobre relacionamentos amorosos entre profissionais liberais em cenários urbanos. A palavra “trendy” pode ser traduzida como “na moda”, e associada a esse tipo de drama por representar personagens e assuntos que estariam en vogue, que seriam contemporâneos, que seriam característicos e de interesse do público alvo desses dramas televisivos. A palavra trendy pode também ser associada com a maneira que os personagens aparecem como representantes de um estilo de vida moderno, usando roupas e cortes de cabelo da moda, ostentando marcas de grife, dirigindo carros de marca, usando aparelhos digitais de marca. Os personagens também estariam na moda por causa desses fatores.

A combinação de estilo e romance em conjunto com a procura por amor e felicidade caiu no gosto de um número considerável de espectadores, e como os Doramas anteriores, a maior parte dos espectadores era composta, principalmente, pelo público feminino. Nas últimas duas décadas, o Japão seguiu por uma série de transformações econômicas, sociais e tecnológicas, que acarretaram em novas normas e valores. A juventude japonesa da década de 1990 teve que encarar um contexto que envolvia diferentes papéis e relações e novas situações como individualismo, consumismo, independência feminina e liberdade sexual. Os Trendy Dramas formaram um público próprio e alcançaram uma grande popularidade por mostrarem temas e personagens que retratavam e que se identificavam com essa geração por refletirem as consequências dessas alterações na sociedade japonesa.

Ao obter muito sucesso na televisão com produtos como Tokyo Love Story (1992), Debaixo do mesmo Teto (1993), Geração do Amor (1996) e Férias Permanentes (1996), os Trendy Dramas acabaram contaminando o cinema japonês. Em 1995 chega aos cinemas uma produção da Fuji Televisão que é Carta de Amor, considerado o primeiro filme de Trendy Drama do cinema japonês. Dirigido por Shunji Iwai, Carta de Amor é uma história romântica com personagens femininos imersos em um cotidiano comum que é afetado por sentimentos de amor e de superação. O filme foi um sucesso instantâneo gerando grandes bilheterias no Japão e no resto da Ásia. Iwai começou a carreira como diretor de comerciais de TV, sua estreia no cinema japonês veio com esse filme de baixo orçamento, com uma estética visual de publicidade televisiva. O próprio Iwai se vê como um eizo sakka, um compositor de imagens bem ao gosto dos Trendy Dramas. A filmografia de Iwai seguiu por essa linha trendy que procura mostrar um Japão cosmopolita e conectado com o resto da contemporaneidade.


A partir do sucesso de Carta de Amor, os Trendy Dramas passaram também a ser um gênero do cinema japonês. E esse aspecto de cosmopolitismo como também de consumo de marcas aparece em destaque no filme Calmi Cuori Appassionati (2001), filme japonês que é conhecido internacionalmente por esse título em italiano porque a maior parte da história se passa na Itália. Cuori foi igualmente produzido pela Fuji TV e é um exemplo perfeito da estética do Trendy Drama como sua história e seus personagens funcionando entre amores, marcas de apelo consumista e visuais da moda. Assim como Carta de AmorCuori gerou grandes bilheterias no Japão e no resto da Ásia, desenvolvendo uma certa popularidade na Europa e nos Estados Unidos e sendo um dos filmes que sedimentou a presença e a produção de Trendy Dramas no cinema japonês.

O Trendy Drama, atualmente, já é um gênero característico da televisão e do cinema nipônicos, havendo até uma nova leva de produções que se autointitulam de pós-trendy. De 1995 até hoje, o Trendy Drama formou uma quantidade considerável de filmes e de sucessos de público, estabelecendo normas e formatos específicos e abrindo margem para variações a partir do seu cânone. Os Trendy Dramas cresceram em tamanho de produção e de variação, sendo possível assistir a filmes que se propõem a reinventar o gênero e também estender seus limites para novas temáticas. Do melodrama amoroso, para a comédia romântica, chegando até a filmes de questionamentos sociais ou com estética de vanguarda, o Trendy Drama é um dos novos gêneros do cinema japonês que mais atrai adeptos dispostos a trilhar e a distorcer as fronteiras nas quais esse tipo de filme se estabeleceu na cinematografia nipônica.

*

Marco Souza é jornalista, vice-coordenador do Centro de Estudos Orientais da PUC-SP, doutor em Comunicação e Semiótica e autor do livro Kuruma Ningyo, O Teatro de Bonecos no Japão.

Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s